Páginas

sábado, 8 de outubro de 2011

Olhe bem,

Acho que você virou um tipo de gripe, um vírus mutante.
Daqueles que chegam, nos atormentam o juízo, nos amolecem, e depois somem.
Desaparecem, assim como fizeram questão de aparecer.
Acho incrível como tem esse poder, como consegue me tirar do meu normal,
digamos que só você me faz descer do salto, rodar a baiana, chutar o pau da barraca, entende?
Dai você vira e vai embora, e eu fico aqui remoendo minhas dores, roendo as unhas de tanto ódio.
Ódio de quê? Ora, da vontade louca que tenho de ir atrás, de correr, de chamar, de ligar.
Existe coisa pior que guardar palavras, desejos e beijos?
Eu pratico todas as noites minhas frases feitas, bonitas e cheias de ironias pra despejar em você.
Não sabe como me contorço pra dizer-te tudo, todas.
Mas dai você me beija, passa a mão em meu pescoço, como se estivesse pronto pra sugar todo o meu sangue, toda a minha raiva, toda a minha força.
E eu, eu fico. Esqueço, me esqueço no final.
As frases, que frases? Ah, as frases...sim as frases!
As esqueço, as perco, as perco de mim.
E dai você vira e vai embora, como eu te odeio, como eu odeio quando vai.
Eu amo te odiar, mas odeio ainda mais te amar.
O pior de tudo é a vontade absurda de digitar minha saudade pra você.
Sim, meu celular é testemunha das várias mensagens que não tive coragem de mandar, ou que mandei e não tive tempo de cancelar.
Eu queria cancelar você. Cancelar, é isso. Cancelar você, como se cancela um encontro, uma festa, um arquivo.
Tem como cancelar um amor?
(como eu queria c-a-n-c-e-l-a-r-v-o-c-ê-d-e-m-i-m)
Desejaria muito acordar e não lembrar de você.
Queria esquecer-te por alguns dias, esquecer-te por alguns anos.
Eu até queria que nunca tivesse existido em mim.
No fundo, eu queria que nunca tivesse existido.

(...) Existido entre nós.
Entre nós o fim.




[Peço desculpas pelo texto, na verdade acabei de 'senti-lo', 
mas acho que não ficou nada bom. 
Esse meu Eu-lírico sempre me pega de surpresa]



Selva Porto



5 comentários:

  1. Ó Victor, eu também!
    Quanta saudade, tentarei vir mais aqui..
    Ando muito corrida :\
    Espero te ver sempre por aqui, viu!?
    :***

    ResponderExcluir
  2. E o amor é assim mesmo: arrebatador. Deixa a gente sem palavras, deixa a gente sem a certeza do que tentamos impor, do que queremos pra nós, porque querer se afastar e ao mesmo tempo está junto é coisa do amor, é coisa que não conseguimos controlar.

    Lindo Selva!

    ResponderExcluir
  3. Nossa, é verdade Tha.
    Tudo o que disse é a mais pura verdade!
    Obrigada, que bom que gostou!! *-*
    Grande beijo :**

    ResponderExcluir
  4. Um dos poemas mais lindos que já li.

    ResponderExcluir

Agradeço a todo vocês por lerem e comentarem meus textos. É muito gratificante receber elogios, e até mesmo opiniões diferentes. Isso mostra que de alguma forma eles conseguem mexer com vocês. Espero que continuem aqui comigo, sempre!
Obrigada ;**